Usuário  
   
     
  Senha  
   
     
   
 
     
 
Acerte no Enem - Sua vaga na universidade cada vez mais próxima!
Página Inicial > Perguntas Frequentes  


Questões Gerais:

A prova do Enem é igual a do vestibular?
Diferentemente dos modelos e processos avaliativos tradicionais, a prova do Enem é interdisciplinar e contextualizada. Enquanto os vestibulares promovem uma excessiva valorização da memória e dos conteúdos em si, o ENEM coloca o estudante diante de situações-problemas e pede que mais do que saber conceitos, ele saiba aplicá-los.
O Enem não mede a capacidade do estudante de assimilar e acumular informações, e sim o incentiva a aprender a pensar, a refletir e a “saber como fazer”. Valoriza, portanto, a autonomia do candidato na hora de fazer escolhas e tomar decisões.

Devido à deficiência do ensino público no Brasil, o que tem acontecido?

Os candidatos à bolsa do ProUni não conseguem nem a pontuação mínima no Enem que é de 45 pontos; e por quê? Porque não tem a preparação adequada para realizar a prova.
Prova disso é que neste ano sobraram 46.623 bolsas do ProUni por falta de pontuação mínima na prova do Enem.
A prova do Enem é composta de duas partes: uma objetiva com 63 questões e outra de redação: a média das duas provas é que classifica o candidato, porém por falta de informações claras o candidato acredita que conseguindo a pontuação mínima de 45 pontos ele já conseguirá a bolsa ! ! ! Ledo engano, as bolsas são distribuídas pela ordem de classificação.

Por que os alunos não vão bem na prova do Enem?
Simples. O aluno estuda para o Enem como se estivesse estudando para um vestibular e a sistemática do Enem é totalmente diferente do vestibular, conclusão? O aluno estuda matéria errada e de forma errada.

Quais as chances de fazer a faculdade de graça?
Muitos candidatos perguntam qual a chance de conseguir a bolsa do PROUNI . Apesar da grande quantidade de inscritos na prova seletiva, que é a prova do ENEM, o percentual dos candidatos que realmente estão preparados é muito pequeno e a relação candidato por vaga não traduz totalmente a realidade da situação. Normalmente, entre os candidatos que se inscrevem para fazerem a prova do ENEM, temos as seguintes situações:
Não fazem a prova: 8,9% a 33,3% do total de inscritos não comparece a prova. Geralmente são candidatos que se inscreveram por impulso, não estudaram e desistiram de prestar o ENEM. Logicamente, têm nenhuma chance de aprovação.
Não estudam: é o maior número dos candidatos que comparecem. Fazem a prova como se fosse uma loteria. Não têm chances. A probabilidade de conseguir uma boa nota chutando é menor do que ganhar na Sena.
Compram material didático, e não estudam: sabem que precisam estudar para conseguir uma boa nota, compram apostilas do curso preparatório, porém, por diversos motivos, não estudam. Também não têm chances e ainda ficam com sentimento de culpa.
Participam do curso on-line de curso preparatório : são disciplinados e conseguem estudar todas as matérias do curso inclusive resolvendo provas anteriores, acessam o e-mail dos alunos, mandam suas redações e dúvidas para analise dos professores e estão sempre interagindo com os professores e com os demais alunos do Brasil todo. Muitos candidatos dedicados que estudam sozinhos conseguem a bolsa do PROUNI.
Participam de curso preparatório, e não estudam: apesar de participarem das aulas e entenderem a matéria não estudam depois da aula. Não dá para tirar uma boa nota só assistindo aulas, pois é preciso estudar em casa para verificar a aprendizagem, reforçar os conceitos e pegar velocidade na leitura e resolução de questões.
Participam de curso preparatório e estudam: Participam das aulas, entendem a matéria e estudam depois da aula. Na verdade, estes são os candidatos com maior chance de aprovação e conseguem a maior parte das bolsas. Assim, sugiro que, no lugar de se preocupar com o número de inscritos, o candidato encare a prova do ENEM como se fosse uma prova do colégio, ou da faculdade em que precise tirar uma nota boa.

Qual é uma boa nota?
Esta nota dependerá do número de vagas para o seu curso, do número de concorrentes na instituição de ensino na qual você anseia estudar, porém, como referência inclusive para orientar os estudos, é interessante fixar uma nota de 80 pontos, que tem sido suficiente para conseguir a maior parte das bolsas. Na última prova do ENEM, por exemplo, a “nota de corte”, ou seja, a menor nota que um candidato conseguiu ser beneficiado ficou em torno de 78 pontos.
NÃO EXISTE OUTRA FORMA DE CONSEGUIR SER BENEFICIADO PELO PROUNI SE NÃO FOR ATRAVÉS DE UMA BOA NOTA NO ENEM!!!

Quem pode fazer a faculdade de graça?
Quem está concluindo o terceiro ano do ensino médio em escolas públicas ou em escolas particulares na condição de bolsista.
Quem já concluiu o ensino médio em escolas públicas ou em escolas particulares na condição de bolsista, independente do tempo de conclusão. ( exemplo: João concluiu seu ensino médio, que na época era chamado de segundo grau, em 1985 e está dentro do perfil que pode ser beneficiado).
Ter renda equivalente ao perfil exigido pelo PROUNI :
Para ser beneficiado com 100% da bolsa o candidato deve ter renda per capta familiar no máximo de 1 salário mínimo e meio. ( exemplo: na casa do João do nosso exemplo anterior moram 5 pessoas sendo o João, sua esposa e 3 filhos; Apenas o João trabalha e tem um salário de R$3000,00 (Três Mil Reais), então para definir qual é a renda per capta da família pega-se a renda total e dividi-se pelo número de pessoas que moram na casa>> R$ 3000,00 dividido por 5 pessoas = R$ 600,00, ou seja, a renda per capta da família é de R$ 600,00 ficando abaixo de 1 salário mínimo e meio que é o exigido pelo programa.
Caso a renda per capta familiar superar 1 salário mínimo e meio e for inferior a 3 salários , ou seja, R$ 1.395,00 per capta familiar, a bolsa fica balizada em 50% do valor do curso da faculdade escolhida pelo candidato.
Caso a renda per capta familiar superar os 3 salários o candidato não pode concorrer a bolsa do PROUNI ficando sua nota do ENEM apta a compor a nota das faculdades e universidades Federais.
Quem está cursando alguma faculdade ou universidade particular desde que não tenha nenhuma graduação anterior, salvo se a graduação anterior for em pedagogia sendo o candidado funcionário público na área em que se formou, e se enquadrar nos requisitos anteriores. O aluno que estão cursando a faculdade deixará de pagar a faculdade após ser beneficiado pelo PROUNI.

Como fazer a faculdade de graça?
Existem vários caminhos para as pessoas realizem o sonho da vida: o curso universitário!
A alternativa mais conhecida e divulgada é prestar o vestibular em faculdades e universidades estaduais ou federais. Fácil né? Mas a situação é que infelizmente no Brasil 97% dos alunos que ingressam nas vagas não cotadas dessas instituições vêm de colégios particulares e o aluno oriundo do ensino público ou tenta uma vaga nas instituições privadas, onde 90% dos alunos oriundos do ensino público que optam por essa alternativa abandonam o curso antes de sua conclusão por falta de condições financeiras de honrar com mensalidades incompatíveis com o orçamento familiar das maiorias das famílias, ou encerram sua vida escolar ao concluir o ensino médio abandonando o sonho de um curso superior e as oportunidades que poderiam se abrir tanto no campo pessoal quanto no campo profissional.
Outra forma bem menos divulgada e muito mais fácil de realizar o tão desejado sonho do curso superior é através do PROUNI. O caminho é muito simples: você deve se preparar adequadamente, fazer a inscrição no ENEM, tirar uma boa nota e se inscrever na faculdade particular no curso que anseia, sem ter que se comprometer com nenhum centavo sequer para custear as mensalidades de seu curso superior

Novo Enem

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os conteúdos ministrados no ensino médio, e sem a possibilidade de comparação das notas de um ano para outro. A proposta é reformular o Enem para que o exame possa ser comparável no tempo e aborde diretamente o currículo do ensino médio. O objetivo é aplicar quatro grupos de provas diferentes em cada processo seletivo, além de redação. O novo exame será composto por perguntas objetivas em quatro áreas do conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias (incluindo redação); ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias e matemáticas e suas tecnologias. Cada grupo de testes será composto por 45 itens de múltipla escolha, aplicados em dois dias.

Por que mudar o Enem?
A grande vantagem que o MEC está buscando com o novo Enem é a reformulação do currículo do ensino médio. O vestibular nos moldes de hoje produz efeitos insalubres sobre o currículo do ensino médio, que está cada vez mais voltado para o acúmulo excessivo de conteúdos. A proposta é sinalizar para o ensino médio outro tipo de formação, mais voltada para a solução de problemas. Outra vantagem de um exame unificado é promover a mobilidade dos alunos pelo País. Centralizar os exames seletivos é mais uma forma de democratizar o acesso a todas as universidades.

Por que fazer o Enem?
A média de desempenho obtida no Enem será imprescindível para pleitear uma vaga nas instituições de ensino superior que adotarem o exame como ferramenta de seleção, de maneira integral ou parcial. Além disso, o Enem continua a servir como referência para uma auto-avaliação sobre o ensino médio e qualidade do ensino, e sua nota continuará a ser critério de seleção de bolsas de estudo no Programa Universidade para Todos (ProUni). O Enem 2009 vai ainda promover a certificação de jovens e adultos no ensino médio e, a partir do ano que vem, vai medir o desempenho acadêmico dos estudantes ingressantes nas instituições de ensino superior.

Quem poderá participar do Enem?
O novo Enem manterá a característica de ser um exame voluntário. Alunos concluintes do ensino médio e pessoas que terminaram este nível de ensino em anos anteriores, os chamados egressos, ainda podem realizar a prova. A novidade é que a prova vai valer também para certificação de conclusão do ensino médio, o que torna o Enem também uma oportunidade para cidadãos sem diploma nesse nível de ensino, desde que na data de realização da prova tenham 18 anos, no mínimo.

É recomendável aos alunos que ainda não vão concluir o ensino médio neste ano fazer o Enem?
Não. O Enem foi criado especificamente para os estudantes que estão no último ano ou que já concluíram o ensino médio. O Ministério da Educação aconselha que os alunos prestem o exame no período mais adequado, que é o ano de conclusão desse nível de ensino. Alunos de outras séries sempre terão oportunidade de se preparar para a prova analisando as edições anteriores do exame, que ficarão disponíveis na página do Inep/MEC imediatamente após sua aplicação.

Como serão as inscrições para o Enem?
Todas as inscrições para o Enem  serão realizadas exclusivamente pela Internet,  no endereço http://enem.inep.gov.br

Quem vai elaborar a nova prova do Enem ?
As provas do Enem sempre são elaboradas por especialistas do Inep. A elaboração exige domínio da tecnologia em avaliação educacional empregada, que é especializada e complexa, e na qual o Inep possui experiência de mais de dez anos – Teoria da Resposta ao Item (TRI). As diretrizes dessa prova – isto é, objetivos, conteúdos, enfim, o desenho – é que serão definidas pelo Comitê de Governança.

O que é o Comitê de Governança e quais suas atribuições no novo Enem?
A pedido da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), foi criado um Comitê de Governança. O Comitê tem entre suas responsabilidades discutir e acompanhar a elaboração do novo Enem e seu impacto no currículo do ensino médio. Fazem parte do Comitê de Governança representantes do Inep, do Ministério da Educação, da Andifes e do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). As principais dúvidas e sugestões sobre o Novo Enem estão sendo estudadas em reuniões desse Comitê.

Como será a prova?
O novo exame será composto por testes em quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias (incluindo redação); ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias e matemáticas e suas tecnologias. Cada grupo de testes será composto por 45 itens de múltipla escolha, aplicados em dois dias.
A redação deverá ser feita em língua portuguesa e estruturada na forma de texto em prosa do tipo dissertativo-

As disciplinas abordadas pela prova do Enem terão pesos diferentes?
A prova do Enem trará cinco notas diferentes, uma para cada área do conhecimento avaliada e uma para a redação. Não haverá diferenciação dos pesos. O que pode ocorrer é que, nos processos seletivos, as instituições utilizem pesos diferenciados entre as áreas para classificar os candidatos, de acordo com os cursos pleiteados.

As questões da prova terão pesos diferentes?
A nova prova do Enem será estruturada na metodologia da Teoria da Resposta ao Item (TRI), que garante a comparabilidade das notas entre diferentes edições a partir da calibração do grau de dificuldade das questões. Dessa forma, diferentemente dos anos anteriores, as questões da prova do Enem serão distribuídas em graus diferenciados de complexidade. Isso significa que, no cálculo final da nota em cada área, as questões mais difíceis valem mais que as questões menos complexas.

Haverá questões regionais na prova do Enem?
Não. Nenhum exame do Inep/MEC contempla questões regionais. Todas as avaliações, como a Prova Brasil / Saeb, Enem etc., têm caráter nacional e devem garantir iguais condições de participação entre estudantes de qualquer lugar do País. Conteúdos regionais poderiam prejudicar estudantes entre as regiões diversas.

O Enem sempre foi uma avaliação diferenciada por priorizar a interpretação dos alunos em vez da chamada "decoreba". Essa característica será mantida?
Sim. A prova do Enem se diferencia das demais por ser estruturada em habilidades, incentivando o raciocínio e trazendo questões que medem o conhecimento dos alunos por meio de enfoque interdisciplinar. A nova prova vai manter essa característica, agregando às habilidades medidas um conjunto de conteúdos formais mais diretamente relacionado ao que é ministrado no ensino médio. Mas sem abandonar as questões contextualizadas, que exigem do estudante a aplicação prática do conhecimento, e não a mera memorização de informações.

Como estudar para o novo Enem? Alunos que já estão se preparando para o vestibular tradicional serão prejudicados?
O novo Enem é estruturado levando em conta os conteúdos ministrados no ensino médio. A inovação é na forma de abordagem desses conteúdos, com foco no conjunto de habilidades que o aluno deve ter ao final do ensino médio, e não na mera acumulação de fórmulas e informações desvinculadas da aplicação. Ou seja, uma prova que valorize mais o raciocínio e não a chamada “decoreba”. Portanto, quem vem se preparando para uma prova tradicional de seleção e para o antigo Enem está preparado para o novo Enem.

Sistema de Seleção Unificada (SiSU)

O que é o Sistema de Seleção Unificada (SiSU)?
É o sistema informatizado, gerenciado pelo Ministério da Educação, por meio do qual as instituições públicas de educação superior participantes selecionarão novos estudantes exclusivamente pela nota obtida no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) 2009.

Quais as instituições e cursos participantes da seleção unificada?
A lista das instituições participantes do SiSU e dos cursos oferecidos pode ser consultada neste portal por meio do item "Vagas" ou do campo de busca. O candidato poderá fazer sua consulta por estado, instituição ou curso.

Quem pode se inscrever no Sistema de Seleção Unificada?
Podem se inscrever na seleção unificada os estudantes que fizeram o Enem 2009. É importante ressaltar que algumas instituições adotam notas mínimas para inscrição em determinados cursos. Nesse caso, no momento da inscrição, se a nota do candidato não for suficiente para concorrer àquele curso, o sistema emitirá uma mensagem com essa informação.

Como funciona o Sistema de Seleção Unificada?
O processo seletivo por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) será realizado em três etapas:

      - Primeira Etapa
      - Segunda Etapa
      - Etapa Suplementar

A cada etapa, o aluno faz sua opção, escolhendo o curso e a instituição para a qual deseja concorrer e efetua sua inscrição pelo sistema. O sistema seleciona automaticamente os candidatos melhor classificados em cada curso de acordo com as suas respectivas notas, o número de vagas disponíveis e o número de inscritos. Os candidatos selecionados têm um prazo para efetuar sua matrícula na instituição para a qual foram selecionados. As vagas eventualmente não ocupadas são disponibilizadas na etapa seguinte, e os candidatos interessados podem participar novamente, fazendo nova inscrição para concorrer a essas vagas. As três etapas seguem essa mesma dinâmica.
Consulte as datas de cada etapa na aba "Cronograma" na página principal deste portal.

Como é feita a inscrição no SiSU?
As inscrições dos candidatos são feitas exclusivamente pela internet, neste portal. Para se inscrever, o candidato deverá acessar o sistema (no campo "Acesse o Sistema de Seleção Unificada", no alto da página principal) e informar seu número de inscrição e a senha cadastrada no Enem 2009. Após estas informações, o sistema solicitará que o candidato crie uma nova senha, específica para o SiSU.
O sistema também solicitará que o candidato informe um e-mail válido. Muita atenção ao cadastrar o e-mail, pois somente por meio dele o estudante poderá, caso necessite, recuperar sua senha do SiSU.

Como os candidatos que não possuem computador poderão se inscrever?
As instituições de ensino participantes do SiSU devem disponibilizar acesso gratuito à internet para os candidatos que desejarem se inscrever.É cobrada alguma taxa para a realização da inscrição?

Não. As instituições participantes do SiSU não podem cobrar qualquer tipo de taxa de inscrição dos candidatos.

Quais os documentos necessários para fazer a inscrição no SiSU?
Para se inscrever no SiSU, o candidato precisará apenas de seu número de inscrição e da senha cadastrada no Enem 2009.
É necessário, no entanto, que ao se inscrever em um curso, o candidato fique muito atento aos documentos exigidos pela instituição para a efetivação da matrícula, em caso de aprovação. Esta informação estará disponível no sistema, assim que o candidato clicar na sua opção de instituição.


Como são informadas, no SiSU, as notas do candidato no Enem 2009?
No momento que o candidato insere no sistema o seu número de inscrição e a senha do Enem 2009, o SiSU recupera, automaticamente, as suas notas obtidas no Enem 2009.

Há oferta de vagas para cursos na modalidade de ensino a distância no SiSU?
Não, neste processo seletivo somente serão selecionados candidatos para vagas em cursos presenciais.

Há oferta de vagas específicas para políticas de ações afirmativas no SiSU?
Há instituições participantes do SiSU que disponibilizam uma parte de suas vagas para as políticas afirmativas (afrodescendentes, indígenas, egressos de escola pública etc).
Assim, em determinados cursos, pode haver duas modalidades de concorrência pelo SiSU: ampla concorrência e ações afirmativas. O candidato deverá, no momento da inscrição, optar por uma destas modalidades.
Dessa forma, o candidato que optar por concorrer por uma determinada ação afirmativa estará concorrendo apenas com os candidatos que tenham feito essa mesma opção, e o sistema selecionará, dentre eles, os que possuírem as melhores notas no Enem.
Atenção: é de inteira responsabilidade do candidato se certificar de que atende os requisitos exigidos para concorrer a uma vaga destinada a política afirmativa e se possui os documentos que serão exigidos pela instituição de ensino no momento da matrícula, em caso de aprovação. A documentação necessária será informada pelo sistema, juntamente com os demais documentos exigidos para matrícula, quando o candidato clicar na sua opção de curso.

As instituições adotam pesos diferentes para as notas do Enem?
Algumas instituições participantes do SiSU adotam pesos diferenciados para as provas do Enem. Esta informação estará disponível para o candidato no momento da inscrição. Assim, quando o candidato se inscrever para curso em que a instituição adotou peso diferenciado para determinada prova do Enem 2009, o sistema fará automaticamente o cálculo, de acordo com as especificações da instituição, gerando uma nova nota.

Como o SiSU calcula a nota do candidato quando ele se inscreve em curso que adote pesos diferentes para as notas do Enem?
O SiSU calcula automaticamente a nova nota do candidato, de acordo com o peso especificado pela instituição para as provas do Enem, para determinado curso. O candidato poderá verificar, no próprio sistema, como foi efetuado o cálculo de sua nota específica para aquele curso, clicando em "Qual a composição de minha nota nessa opção?".

É possível que um mesmo candidato tenha notas diferentes para cursos diferentes?
Sim. Como as instituições participantes do SiSU podem atribuir pesos diferentes nas provas do Enem  para cada curso, a nota do candidato pode variar de acordo com o parâmetro definido pela instituição.

Como é calculada a nota de corte de cada curso, informada pelo SiSU como referência?
Uma única vez por dia o SiSU calcula a nota de corte (menor nota para ficar entre os potencialmente selecionados) para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso.
Atenção: a nota de corte é apenas uma referência para auxiliar o candidato no monitoramento de sua inscrição, não sendo garantia de seleção para a vaga ofertada. O sistema não faz o cálculo em tempo real e a nota de corte se modifica de acordo com a nota dos inscritos. A nota de corte só será informada pelo sistema a partir do segundo dia de inscrição em cada etapa.

Quais são os critérios de desempate?
No caso de notas iguais, o desempate entre os candidatos será efetuado considerando-se a seguinte ordem de critérios:

      1. Nota obtida na redação;
      2. Nota obtida na prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias;
      3. Nota obtida na prova de Matemática e suas Tecnologias;
      4. Nota obtida na prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
      5. Nota obtida na prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias;
 

O candidato pode imprimir o comprovante de sua inscrição?
Sim. Ao finalizar a inscrição, o sistema possibilita ao candidato imprimir seu comprovante.

Depois de concluir sua inscrição, o candidato pode modificá-la?
Sim. É permitido ao candidato, durante o período de inscrição, modificar sua opção quantas vezes julgar conveniente. É importante ressaltar que, para efeito de concorrência, o SiSU considerará a última inscrição concluída.

Como saber o resultado do SiSU?
O resultado do candidato estará disponível no portal e nas instituições participantes.

Posso me inscrever em mais de um curso no SiSU?
Não. Em cada etapa de inscrição cada candidato poderá se inscrever em uma única opção de curso. Porém, esta opção pode ser alterada sempre que o candidato achar conveniente, até a data limite de cada período de inscrição.

O candidato que se inscreveu na primeira etapa, pode se inscrever nas etapas posteriores?
Sim, é permitido ao candidato que se inscreveu na primeira etapa se inscrever novamente nas etapas posteriores.

O candidato que se inscreveu no SiSu também pode se inscrever no ProUni?
Sim, os estudantes que se inscreveram no SiSU também podem se inscrever no Programa Universidade para Todos (ProUni), desde que atendam aos critérios do programa.
O SiSU e o ProUni utilizam o ENEM 2009 como critério para seleção dos candidatos.
Para saber mais sobre o ProUni acesse http://siteprouni.mec.gov.br/

Bolsista do ProUni pode se inscrever no SiSU?
Sim, se tiver feito o ENEM, o bolsista do ProUni pode se inscrever no SiSU.
Porém, se for selecionado pelo SiSU deverá optar pela bolsa do ProUni ou pela vaga do SiSU, pois é vedado ao bolsista utilizar uma bolsa do Programa e estar matriculado em instituição de ensino superior pública e gratuita.

O candidato que não se inscreveu na primeira etapa de seleção pode inscrever-se nas demais etapas?
Sim, os candidatos que não se inscreveram na primeira etapa podem inscrever-se na segunda etapa.

E se o candidato se inscreveu na primeira etapa e não foi selecionado? Pode se inscrever novamente na segunda etapa?
Sim, o candidato inscrito na primeira etapa que não foi selecionado e deseja concorrer novamente às vagas, deve efetuar nova inscrição no sistema.

 



 
 
 
     
 
 
Sananduva - Lagoa Vermelha - Tapejara - Passo Fundo
Veranópolis - Nova Bassano - Vacaria - São José do Ouro